ARTIGO

Comunicação e Lingua Portuguesa
img

Comunicação e Língua Portuguesa

Por Elói Alves

A comunicação humana, verbal ou não verbal, é uma via de mão dupla entre emissor e receptor, uma vez que este decodifica ou interpreta a mensagem daquele. Quando se esquece disso, independentemente do tipo de linguagem em uso, se coloquial ou formal, corre-se o risco de não ser compreendido. Deve-se isso ao aspecto social da comunicação, que envolve necessariamente o outro, em que o locutor precisa ser minimamente eficiente no trato do código linguístico para ser compreendido por seu interlocutor, a pessoa com quem pretende se comunicar objetivamente.

Nesse sentido, faz-se necessário o conhecimento da língua e, por conseguinte, de sua gramática, que expõe seu funcionamento, seja do ponto de vista pragmático, histórico ou normativo. No dia a dia alguns descuidos no uso de expressões linguísticas podem dificultar o sucesso da comunicação. Exemplo disso é o uso incorreto de ir de encontro no lugar da expressão oposta ir ao encontro.

Ir de encontro significa discordar de, portanto, traz a ideia de confronto. Um exemplo desse uso: Minha conclusão vai de encontro à sua. Aí expressa-se divergência entre as conclusões dos interlocutores. Ao contrário, ir ao encontro apresenta a ideia de concordância, de convivência harmônica entre pensamentos, por exemplo. Por isso, a confusão no uso dessas expressões pode gerar incompreensão, os chamados ruídos ou, de fato, ausência de efetiva comunicação.

Outro equívoco recorrente aparece no uso dos parônimos, vocábulos cujas grafias se parecem, mas que trazem significados diferentes e, até, opostos. Entre eles aparecem os pares deferir (atender) e diferir (divergir, distinguir-se), eminente (elevado) e iminente (prestes a ocorrer), descrição (descrever algo ou alguém) e discrição (de discreto), emigrar (deixar um país) e imigrar (entrar em um país), flagrante (evidente) e fragrante (perfumado), fusível (que funde) e fuzil (arma de fogo), imergir (afundar) e emergir (vir à tona), inflação (alta dos preços) e infração (falta, delito), ratificar (confirmar) e retificar (corrigir), soar (de som) e suar (transpirar), tráfego (trânsito) e tráfico (comércio ilegal).

A convite do dileto Doutor Arthur voltaremos brevemente à análise das questões linguísticas referidas acima, esperando, gratamente, pelos gentis amigos leitores.

Elói Alves é escritor, consultor linguístico, tradutor e professor; estudou Letras Clássicas na FFLCH-USP, licenciou-se em Língua Vernácula na FE-USP, é discente do curso de Direito da FMU- Liberdade; é autor de O Olhar de Lanceta: Ensaios Críticos sobre Literatura e Sociedade (2015), Contos Humanos (2013), As Pílulas do Santo Cristo (2012), Sob um céu cinzento (2014), entre outros; escreve em www.escritoreloialves.com.br

cleide de Oliveira Paes
30/03/2017

Orgulhosa, deste professor atuante.(Posso errar ao escrever.Continuo me expressando.Aceito sempre as correções.rsrs No Peito dos Desafinados também mora um coração.Nas palavras dos desletrados também mora uma expressão.

Responder

Thales Ferri Schoedl
10/03/2017

Grande Professor Elói, parabéns pelo excelente artigo! Como sempre muito técnico e esclarecedor. Precisamos de pessoas como você, pois nossa sociedade, aos poucos, está se desapegando do vernáculo.

Responder

Marilene Ribeiro
09/03/2017

Muito bom! A nossa Língua é mesmo maravilhosa,mesmo que complexa.Espero poder ler outros artigos como este.Parabéns,Elói!

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Todos os campos são obrigatórios!